Qual é o impacto do coronavírus (covid-19) no P2P Lending?

A crise desencadeada pelo surto do covid-19 parece não ter precedentes no mundo inteiro. A cada dia uma nova notícia sobre o aumento do número de casos confirmados e de mortes registradas surge para abalar os pilares sociais e inflamar o pânico. Afinal, a sociedade contemporânea nunca viveu nada parecido desde a Segunda Guerra Mundial, findada em 1945.
Mas qual é o impacto do novo coronavírus na modalidade P2P Lending?

Acompanhe os tópicos a seguir e mantenha-se informado para tomar as melhores decisões na hora de fazer seu investimento. Nosso objetivo é preparar você, investidor, para enfrentar diferentes e possíveis cenários. Além disso, queremos mostrar que nem tudo está perdido, que há luz no fim do túnel, atrelada a oportunidades importantes.

Peak Invest - Coronavirus Peer To Peer Lending

Impacto do Coronavírus na economia

Mas inicialmente, é importante dizer que a saúde é algo que deve ser priorizado. Estamos trazendo um conteúdo com um viés econômico, mas jamais colocando a economia a frente das pessoas. O mundo é feito de pessoas, a economia é feita por pessoas, as vidas são sempre mais importantes.
É preciso compreender que cada um pode ter um ponto de vista diferente sobre os impactos do Coronavírus na economia. Muitos acreditam que o medo e a incerteza são os fatores preponderantes. De modo geral, cada país afetado está passando por sua fase de combate contra o covid-19. Aliás, em um mundo globalizado, é crucial analisar tudo que tem acontecido, não é mesmo?

Nesse sentido, o questionamento lançado pelo título deste artigo é muito pertinente, tendo em vista que o mercado financeiro tem sido um dos mais prejudicados pela pandemia. Haja vista a queda vertiginosa das ações nas bolsas pelo mundo, grandes empresas perdendo valor de mercado mesmo sendo consideradas de setores menos afetados. Isso só mostra que a incerteza traz a falta de previsibilidade que investidor não gosta. Para você ter uma ideia do cenário caótico, o Ibovespa, principal índice da B3 (Bolsa de Valores de São Paulo), teve de acionar o circuit breaker três vezes em apenas uma semana, no início de março.

O mecanismo é utilizado para amenizar movimentos bruscos de queda no mercado, bem como para reestabelecer a ordem e o equilíbrio entre os atos de compra e venda de ações. Na prática, o acionamento ocorre quando o Ibovespa chega a um limite negativo de 10% em relação ao índice de fechamento do dia anterior. Dessa forma, quando ativado, o circuit bracker interrompe as negociações por 30 minutos.

Esse exemplo é útil para mostrar um panorama que afeta diversos setores da sociedade, como as pequenas e médias empresas, as companhias aéreas, o comércio, os trabalhadores informais e as famílias de um modo geral. Os impactos econômicos causados pelo vírus são tão grandes que a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) reduziu sua projeção de crescimento global de 2,9% a 2,4% para 2020, que corresponde a 0,5 pontos percentuais.

O que fazer frente a tantas incertezas? Onde investir dinheiro sem o risco de perder tudo? Quais são as melhores possibilidades nesse momento? Temos algumas informações importantes para você.

Aumento da procura por empréstimo via P2P Lending

A primeira delas é a tendência da procura por empréstimos por parte das pequenas e médias empresas. Elas precisam captar recursos para continuarem funcionando frente a paralisação imposta pelo Poder Público para conter a proliferação do Coronavírus. Ação justa é necessária para que menos pessoas se contaminem.

Essa previsão indica que a modalidade P2P Lending, modelo de empréstimo coletivo – recente no Brasil, mas que tem ganhado cada vez mais adeptos -, tende a ser muito mais procurada nesse momento. Isso porque o formato facilita o empréstimo através de tecnologia, praticidade e ainda sob juros exponencialmente mais baixos que os praticados pelos bancos convencionais.

Na prática, as fintechs que operam a modalidade de crédito aproximam investidores e empresas. Em linhas gerais, os investidores se tornam provedores de recursos para os empreendedores, que devolvem o valor tomado emprestado através de parcelas mensais, com acréscimo de juros. Para quem empresta (investe), o retorno é também mais alto em relação às carteiras de renda fixa tradicionais e de muitas ações por aí.

Nessa perspectiva, é correto interpretar que o Peer to Peer Lending se tornará alvo de muitas pequenas e médias empresas que precisam de recursos para manter seus negócios em pé. Isso representa uma ótima oportunidade para investidores interessados em aplicar recursos em renda fixa, enfrentando riscos menores em comparação com o mercado de ações, considerando o atual cenário de volatilidade. Então, terá muita procura por crédito e oportunidades para investidores que querem diversificar seu portifólio, de certa forma escapar da volatilidade das ações em bolsa.

Peak Invest - Covid-19 P2P

Análise mais criteriosa para aprovação do crédito – P2P Lending

Mas você pode estar se perguntando sobre os riscos de inadimplência. Nesse momento, onde a economia vive um cenário de incertezas por conta da pandemia atual, uma das certezas é que as empresas vão precisar de recursos para se estabilizar e voltar a crescer. É provável que atrasos podem acontecer, mas é um mercado que não pode ser desconsiderado. Principalmente, pelo o que movimenta de dinheiro no Brasil. Afinal, representam mais de 90% dos negócios em operação no país.

As fintechs de crédito devem analisar os setores para mitigar os riscos de inadimplência que podem vir a acontecer, e quais são as saídas das empresas nesse momento de crise. Novas linhas de crédito devem ser bem pensadas para não sufocar as empresas com valores que elas não conseguiriam se comprometer. Isso vale para todos os ratings (avaliação de risco da empresa). Os produtos devem ser customizados caso a caso.

O objetivo é reforçar o sistema de análise de crédito para aprovar a entrada de empresas avaliando sua capacidade econômica e a probabilidade de inadimplência. Isso envolve diversas análises e não só qual o setor foi ou pode ser mais afetado. A empresa tomadora deve ter bom histórico, estrutura para se sustentar durante e após essa crise.


O ponto é que o P2P, definitivamente, pode ajudar muitas empresas, mas precisará do apoio de investidores para isso. Eles precisam acreditar na análise feita pela plataforma, entender que existem grandes profissionais por trás das “cortinas” que se empenham em apresentar as melhores empresas para os investidores.

Assim, a análise criteriosa visa garantir mais segurança aos investidores, para que recebam o retorno de seu capital aplicado na plataforma online. Mitigando o risco, é possível reduzir a inadimplência no longo prazo, ao que tudo indica, será uma constante no mercado daqui para frente, abrangendo as empresas, os consumidores e os demais players do cenário econômicos no geral.

O mundo está parado e as informações científicas dão conta de que a crise pandêmica não passará tão rápido. Ainda há muitas incertezas quanto aos efeitos do covid-19 e, apesar de seu baixo percentual de letalidade, as atividades econômicas e comerciais não voltarão tão cedo à normalidade, como toda a comunidade global.

Mas é preciso seguir em frente e ficar atento(a) às oportunidades. A modalidade P2P Lending pode significar uma excelente opção de retorno nesse momento turbulento. Sugerimos que você leia nossos demais artigos do blog, entenda sobre o modelo de empréstimo coletivo, diversifique sua carteira de investimento e saia grande dessa crise.

No mais, cuide de si mesmo e de sua família. Continue adotando as indicações dos órgãos de saúde para evitar a contaminação do Coronavírus. Até a próxima!

Qual é o impacto do coronavírus (covid-19) no P2P Lending? 1

Compartilhe esse post

Arquivos

Posts relacionados

Comentários