Retomada da Economia: a importância de um planejamento para o retorno seguro às atividades

Peak Invest -  Retomada da economia

A crise imposta pelo novo coronavírus impactou a tudo e a todos. A quarentena não foi só social, mas empresarial.

Passada a pior fase histórica, estados e municípios começam a flexibilizar as restrições e a permitir a retomada presencial do comércio e dos serviços rotulados como não essenciais.

Portanto, é hora de pensar na retomada física do seu negócio com a segurança sanitária exigida não só pelo Poder Público, mas principalmente pelos seus clientes, o ativo mais valioso de qualquer segmento.

“O lema é saúde e prevenção”.

Vamos lá.

Há um plano a ser seguido?

Não há um manual universal para a reabertura da economia. A infinidade de variáveis e peculiaridades de cada setor e região no Brasil exige a criação de protocolos e planejamentos por área de atuação/setor.

Em razão disso, municípios e estados estão elaborando e aprovando protocolos de acordo com a situação sanitária de sua região e considerando as melhores sugestões de entidades representativas (como federações, confederações, associações, etc.) e de saúde.

Nesse sentido, é fundamental que você conheça a legislação e os protocolos setoriais publicados pela Prefeitura e pelo Estado onde se encontra o seu estabelecimentoincluindo as das vigilâncias sanitárias, e que você busque os manuais aprovados pelas entidades que representam e se aplicam ao seu negócio.

Quer ajuda? Confira, abaixo, alguns sites com conteúdos e orientações importantes:

Lembre-se de buscar as informações oficiais nos sites de municípios e estados, e que algumas entidades representativas possuem organização regional, de forma que é necessário que se busque as orientações específicas de acordo com a sua localização (através de seus respectivos sites).

Em caso de eventual divergência entre os protocolos e regras, a melhor prática jurídica recomenda que você opte sempre pela orientação mais rígida.

“Afinal, o que é mais seguro diminui muito os riscos ao seu negócio”.

Por último (e não menos importante), não hesite em, se possível, buscar uma assessoria jurídica especializada em direito público e sanitário para conferir maior segurança no planejamento de retomada. Trata-se de cautela recomendada em razão da infinidade de legislações e exigências setoriais, assim como da certa e severa fiscalização que ocorrerá de agora em diante – por parte do Poder Público, da sociedade e, tenha certeza, dos seus concorrentes.

Autuações, multas, cassações, denúncias e processos judiciais não são bem-vindos em tempos de normalidade, quanto mais nos dias atuais.

Recomendações específicas

Peak Invest - retorno de atividade

Explorados os conceitos mais importantes para uma retomada segura e necessária, que tal criar o seu protocolo considerando medidas amplamente difundidas?

Afinal, o Supremo Tribunal Federal, em recente julgamento, decidiu que a Covid-19 pode ser enquadrada como doença ocupacional (popularmente chamada como “doença do trabalho”), de maneira que o empregador pode ser responsabilizado pela contaminação de um colaborador por Covid-19, caso não adote medidas sanitárias de segurança.

Confira, então, algumas recomendações:

  • Forneça equipamentos de proteção individual (EPIs) a todos os funcionários, para que eles os utilizem não apenas no trabalho, mas também no trajeto casa-trabalho-casa;
  • Espalhe recipientes de higienização das mãos com álcool em gel e os mantenha abastecidos;
  • Meça a temperatura do colaborador no início e no final de cada dia de trabalho, o que deve ser feito por um profissional devidamente treinado e que mantenha sigilo das informações;
  • Trate os dados de saúde dos seus colaboradores como confidenciais (elas não devem ser der conhecimento de outros colaboradores, mas somente do seu líder e do RH);
  • Oriente, aos seus colaboradores, a higienização frequente das mãos com água e sabonete, ou, se não for possível, com álcool em gel 70%. Reforce a orientação principalmente após tossir, espirrar, usar o banheiro e antes das refeições;
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal e alimentos, e evite ao máximo tocar olhos, nariz ou boca (em especial após utilização de utensílio e material que não está desinfectado);
  • Permita o home-office para os colaboradores que assim possam trabalhar (isso evita aglomerações);
  • Reforçar a frequência da limpeza, ventilação e a higienização e desinfecção de ambientes (incluindo superfícies como mesas, objetos, telefones e teclados, por exemplo);
  • Coloque pôsteres e avisos incentivando a lavagem das mãos e outras medidas de saúde e prevenção (e-mails automáticos podem ser enviados diariamente, por exemplo);
  • Comunique os funcionários que permaneçam em casa em caso de qualquer sintoma ou suspeita de contaminação;
  • Realize reuniões presenciais somente se estritamente necessário e com quem for estritamente necessário. Neste caso, adote as medidas de segurança, como uso de EPIs e distanciamento, e tenha o controle dos participantes (pois, caso algum deles tenha suspeita ou teste positivo para a Covid-19, todos os demais poderão se isolar e buscar assistência médica, caso necessário);
  • Priorize reuniões virtuais;
  • Adote, se possível, jornadas flexíveis de trabalho para aqueles que não podem fazer home-office. Isso reduz o fluxo de pessoas nas ruas e nas empresas;
  • Estimule a alimentação balanceada e a ingestão de líquidos saudáveis;
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados, e mantenha os ambientes ventilados.

A intenção, aqui, não é esgotar as possibilidades (infinitas) de cuidados, mas de contribuir com recomendações básicas e obrigatórias a serem observadas por toda e qualquer organização, e que podem ser adequadas de acordo com o seu ramo de atuação e do porte da pessoa jurídica.

Assim, como já exposto no presente artigo, busque fontes e informações seguras de acordo com o seu segmento econômico, seja criativo, responsável (inclusive com o meio ambiente), comprometido e se prepare para buscar o crescimento do seu negócio!

Recomendação ouro

Tenha esses protocolos e orientações como requisitos mínimos de segurança. Ou seja, caso haja espaço e viabilidade para adotar regras mais rígidas no seu estabelecimento, adote.

“O comprometimento com a máxima segurança dos seus colaboradores e clientes representará responsabilidade social que o diferenciará no mercado e agregará valor ao seu negócio. Trata-se, portanto, de um ingrediente essencial para a retomada do seu crescimento”.

O empreendedor brasileiro é resiliente e cresce frente às crises e aos diversos desafios característicos do nosso país. Então vamos crescer juntos!

****

Escrita por Rafael Emannuel Vorburger Guerrero – Advogado Especialista em Direito Público e em Direito Sanitário. Consultor empresarial e regulatório. Pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Direito Sanitário da Faculdade de Saúde Pública da USP. Membro efetivo da Comissão de Direito Sanitário e da Comissão de Advocacia Preventiva da OAB/SP. Representante da OAB/SP no Conselho Estadual de Saúde de São Paulo. Membro do Instituto de Direito e Ética Empresarial – IBDEE. Foi coordenador jurídico da B3. S.A., a Bolsa de Valores do Brasil, e associado a escritórios de advocacia de renome internacional.

Site: https://www.rafaelvorburger.com.br/

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/rafaelvorburger/

E-mail: rafael@rafaelvorburger.com.br

****

O que achou desse artigo? Achou atrativo? Então, cadastre-se na plataforma da Peak Invest e conheça novas oportunidades de investimentos!

Compartilhe esse post

Arquivos

Posts relacionados

Comentários